Quarta-Feira, 28 de Junho de 2017
Pesquisa no site:

Artigos




O Supremo e o dicionário

Lauro H. Santos de Oliveira Lima (27/03/2012)

O Supremo e o dicionário

Com a evolução da sociedade e dos direitos individuais alguns representantes de grupos de nossa sociedade se acham no direito de mudar o conceito sobre algumas palavras que estão no dicionário. Mesmo o dicionário representando a nossa cultura e a nossa história terá que ser mudado caso o Supremo Tribunal assim ordene. O próximo passo será queimar os livros onde essas palavras estão escritas, para acabar de ver com a nossa história. O absurdo do fato está que essas pessoas não estão percebendo que a história já passou. O que está escrito não dá para mudar. Milhares de livros, artigos, periódicos e tudo mais foi escrito segundo as normas antigas, quando aquelas palavras ainda podiam valer. Um dos grupos que quer mudar o dicionário são os Ciganos. Eles dizem que a palavra cigano, no dicionário, os descrevem como pessoas menores e com intenções maldosas. Ora, tantas palavras no dicionário tem sentido mudado com os tempos. Só que as definições não podem mudar, porque não temos como mudar o que foi escrito no passado, quando era permitido aquele sentido.

Uma das palavras mais terríveis no dicionário é a palavra que se refere a quem usa a mão esquerda como mão de maior habilidade. Somos chamados de: Canhotos, Sinistros. Vejam a definição destas palavras no dicionário e verão que é assustador. E, não para por aí. Quer treinar alguém ou algum animal para ele ficar melhor então você tem que adestrá-lo (torná-lo destro, ou seja direito) o que quer dizer que quem não é direito é ERRADO.

Isso é só um exemplo de que não podemos querer consertar nosso dicionário porque ele foi construído através de décadas e séculos e não pode um monte de juízes querer interpretar os direitos subjetivos de um grupo social com prejuízo de toda a história do nosso País.

Se permitirem a primeira mudança forçada em nosso dicionário isso vai provocar uma avalanche de solicitações de mudanças que não terá fim. E, no final, não entenderemos mais nada do que foi escrito antes das mudanças.

Que tolice será se o Supremo mexer no nosso dicionário.

Lauro Henrique Santos de Oliveira Lima

www.laurooliveiralima.com.br

Twiter – LauroOLima E-mail: laurolima@gmail.com

Membro Titular do Fórum Estadual de Educação do Ceará

Vice-Presidente do Conselho do FUNDEB de Fortaleza

Conselheiro do Conselho de Educação de Fortaleza

Presidente da ACEPEME – Associação Cearense de Pequenas e Médias Escolas

www.acepeme.org.br

SINEPE-CE – 2º secretário

Colégio Oliveira Lima – Dirigente www.piaget.com.br

PASSEATA DOS CEM MIL –Eu estava lá




Comentários


Nenhum comentário

Inserir comentário

Copyright 2011 - Colégio Oliveira Lima - Todos os Direitos Reservados
REFFER